• Acessibilidade

Localização

Oferecido pelo Núcleo de Educação a Distância, o curso de aperfeiçoamento auxilia esses profissionais em atividades de avaliação, registro, planejamento e intervenção

Os educadores lidam com o desafio de realizar um trabalho inclusivo que acolha a diversidade e promova o desenvolvimento de todos os alunos, valorizando as diferenças individuais. Para ajudá-los a refletir sobre o assunto e instrumentalizá-los para atuarem em propostas de avaliação, registro, planejamento e intervenção, o Núcleo de Educação a Distância (NEaD) da Unesp oferece o curso de aperfeiçoamento “Práticas Inclusivas na área da Deficiência Intelectual”. 

“Nosso objetivo é levar o cursista a conhecer o contexto histórico e legal da educação das pessoas com deficiência, a saber avaliar o desempenho acadêmico e social de sua sala de aula e a planejar estratégias de ensino em colaboração com o professor do Atendimento Educacional Especializado, bem como a elaborar o registro da avaliação pedagógica inicial, do processo de escolarização e do planejamento de ensino individualizado”, detalha a pedagoga Vera Lucia Messias Fialho Capellini, professora do Departamento de Educação da Faculdade de Ciências da Unesp de Bauru e uma das coordenadoras do curso a distância. 

O cursista deve se organizar para dedicar 10 horas semanais ao estudo dos conteúdos e realização das atividades em um Ambiente Virtual de Aprendizagem. “Os cursos do NEaD/Unesp empregam as abordagens metodológicas do ‘Estar Junto Virtual’ e da disponibilização de um ambiente construcionista, contextualizado e significativo”, explica a professora Elisa Tomoe Moriya Schlünzen, coordenadora do núcleo. “Portanto, tutores online irão mediar a aprendizagem, acompanhando e orientando o aluno nas atividades, que incluem a análise de situações contextualizadas, leituras críticas e discussões nos fóruns, além de exercícios práticos em seu ambiente de trabalho”, esclarece. 

Entre os temas abordados nos quatro módulos do curso, estão: conceitos e definições de deficiência intelectual; fundamentos para uma educação na diversidade; as contribuições das teorias do desenvolvimento humano e da aprendizagem para as práticas pedagógicas inclusivas; plano de ensino individualizado em contextos inclusivos; sexualidade e deficiência intelectual: questões teóricas e práticas; reflexões sobre a alfabetização: conhecimento e desafios para a introdução ao mundo letrado; a matemática na infância; criatividade e ludicidade nas práticas pedagógicas.

“Mais do que dar uma nota, nossa proposta é que o cursista se aproprie dos conteúdos e realize com sucesso todas as atividades”, destaca a psicóloga Ana Claudia Bortolozzi Maia, professora da Faculdade de Ciências da Unesp de Bauru e uma das coordenadoras do curso, juntamente com a professora Vera Capellini.  “Caso sua tarefa não tenha atingido plenamente os objetivos, o aluno receberá orientação do tutor ou do formador sobre como melhorar seu desempenho, permitindo que a refaça com sucesso”, garante. 

 

Práticas Inclusivas na área da Deficiência Intelectual

Curso de Aperfeiçoamento a Distância 

Responsável: Núcleo de Educação a Distância da Unesp

Público-alvo: professores e demais profissionais da área de educação

Carga horária: 180 horas

Duração: 18 semanas, com início previsto para 4 de abril de 2017

Certificação: Unesp

Investimento: R$ 750,00 à vista ou em seis vezes no cartão

Informações: (11) 2066-5800

Inscrições até 31 de março pelo endereço https://goo.gl/JK5wxB

 

Descontos para grupos de professores da rede pública:

De 5 a 9 professores – 5%

De 10 a 14 professores – 10%

De 15 a 19 professores – 15%

De 20 a 24 professores – 20 %

De 25 a 29 professores – 25%

A partir de 30 professores – 30 %

 

Os professores conheceram as instalações, a atuação e o potencial do núcleo para a inovação das práticas pedagógicas da universidade
      Professores da nova gestão da Unesp têm visitado o Núcleo de Educação a Distância (NEaD) para conhecer sua infraestrutura, atividades e projetos. No último dia 8 de março, o vice-reitor, professor Sergio Roberto Nobre, reuniu-se com os coordenadores do NEaD e, em seguida, foi apresentado às equipes de Tecnologia de Informação e de Comunicação Audiovisual.
     O vice-reitor veio ao núcleo acompanhado pelo professor José Paes de Almeida Nogueira Pinto e por Alexsandro Albuquerque Luz, assessores da reitoria, além da professora Hilda Maria Gonçalves da Silva, coordenadora da Escola Unesp de Liderança e Gestão. O grupo conferiu o Data Center do NEaD, que concentra servidores, sistemas de armazenamento de dados e equipamentos de rede,  garantindo a infraestrutura necessária para a oferta de cursos a distância e para a disponibilização de materiais didático-científicos em seu acervo digital. Em seguida, conheceu o estúdio de gravação, onde são produzidas as videoaulas com recursos de acessibilidade (audiodescrição, libras e legendas). 
     “É uma honra receber os integrantes de uma gestão que já se mostrou comprometida com a inovação em todos os setores da universidade, incluindo o ensino e aprendizado por meio dos ambientes virtuais”, afirmou a professora Elisa Tomoe Moriya Schlünzen, coordenadora do NEaD, que recebeu o vice-reitor e sua equipe. Também participaram da recepção o professor Edson do Carmo Inforsato, coordenador pedagógico dos cursos realizados em parceria com a Universidade Aberta do Brasil, e a professora Maria Cândida Soares Del Masso, coordenadora do Curso de Especialização em Educação Especial com ênfase em Altas Habilidades/Superdotação. 
Apoio à graduação    
 No dia 21 de fevereiro, o NEaD recebeu a pró-reitora de graduação da Unesp, Gladis Massini-Cagliari, e sua assessora, a professora Silvana Aparecida Gregório Vidotti. Após conhecer o núcleo, na companhia do professor Klaus Schlünzen Junior, diretor acadêmico da Universidade Virtual do Estado de São Paulo, e das professoras Elisa Schlünzen e Maria Cândida Del Masso, a pró-reitora considerou a infraestrutura “invejável” e a equipe “diversificada e bem formada”. 
     A professora Gladis destacou a importância do NEaD no contexto atual de renovação da Unesp. “O apoio do núcleo será fundamental para que possamos avançar em termos de mobilidade virtual dos nossos alunos, oferecendo-lhes a possibilidade de acesso a cursos que não poderiam frequentar e promovendo uma formação mais inovadora, tanto do ponto de vista do suporte quanto dos conteúdos”. Ela também considerou proveitosa a conversa com os professores Klaus e Elisa, que sinalizaram a possibilidade de futuras parcerias entre o NEaD e a Univesp. “Esse trabalho conjunto pode colaborar com a graduação das duas instituições, que unirão esforços para a melhoria do Ensino Superior, oferecendo a disciplina obrigatória de Libras para as Licenciaturas e disciplinas de apoio aos alunos em áreas nas quais, historicamente, apresentam dificuldades, como cálculo e produção de textos”.  Para a equipe gestora do NEaD, foi muito importante a iniciativa da pró-reitora e de sua assessora, que demonstraram interesse em conhecer e melhorar o potencial da instituição, a qual possui grande capilaridade no Estado de São Paulo. 

 

Com ampla experiência em tecnologias educacionais, o professor criou e coordenou por 7 anos o Núcleo de Educação a Distância da Universidade Estadual Paulista

 

O governador Geraldo Alckmin nomeou o professor Klaus Schlünzen Junior diretor acadêmico do Conselho Técnico-Administrativo da Univesp – Universidade Virtual de São Paulo. O decreto de designação foi publicado no Diário Oficial do Estado de São Paulo do dia 18 de fevereiro de 2017. 

Docente da Unesp - Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Schlünzen vai liderar, durante os próximos quatro anos, uma equipe de gestão acadêmica e técnico-pedagógica da Univesp, acompanhando as atividades de ensino, pesquisa e extensão, incluindo o planejamento, desenvolvimento e avaliação dos cursos oferecidos. ”Vamos unir esforços com a presidente Maria Alice Carraturi Pereira e os demais integrantes dos conselhos da Univesp, com o objetivo de continuar a incentivar a educação mediada por tecnologia e impulsionar a inovação técnica e pedagógica, com substancial ampliação de vagas na educação superior pública de qualidade, empregando metodologias ativas de aprendizagem e incentivando iniciativas de mobilidade virtual”, afirma o novo diretor. 

Atuação

Schlünzen possui ampla experiência em tecnologias na educação, formação de professores, educação híbrida, gestão do conhecimento, informática na educação e aprendizagem organizacional.  Atualmente, é professor do Departamento de Estatística e do programa de pós-graduação em Educação da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Unesp. Também é membro da Comissão Permanente de EaD da Unesp; do Fórum de Coordenadores da Universidade Aberta do Brasil – UAB/CAPES/MEC; da Câmara de EaD da Associação Brasileira de Reitores das Universidades Estaduais e Municipais (ABRUEM) e da Comissão de Institucionalização da Educação Híbrida na CAPES/MEC. 

Na Unesp,  Schlünzen foi responsável pela criação do Núcleo de Educação a Distância (NEaD), por meio do qual viabilizou parcerias com órgãos públicos federais, estaduais e municipais, bem como com organizações da sociedade civil, a fim de desenvolver ações e pesquisas de promoção da inovação e inclusão educacional por intermédio das Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação e da Tecnologia Assistiva. 

Resultados à frente do NEaD/Unesp

Em sete anos de existência, o NEaD, ofertou mais de 50 cursos a distância e semipresenciais de graduação, pós-graduação e extensão, beneficiando quase 30 mil cursistas. Os Ambientes Virtuais de Aprendizagem e os seus diversos materiais educacionais são acessíveis, oferecendo recursos como legendas, Libras e audiodescrição.

As iniciativas de fomento à acessibilidade e inclusão no ensino superior garantiram ao NEaD o reconhecimento de dois organismos internacionais em 2016. O núcleo da Unesp recebeu menção de honra da Organização Universitária Interamericana  durante o Prêmio Interamericano de Inovações Educativas no Ensino superior. E destacou-se no prêmio Reimagine Education, obtendo o bronze entre as universidades da América Latina. 

O professor Schlünzen também instituiu a Unesp Aberta, que oferece gratuitamente 75 cursos nas áreas de exatas, humanas e biológicas, além de 194 e-Books, beneficiando mais de 207 mil pessoas. Além disso, o NEaD disponibiliza um acervo digital com 120 mil objetos educacionais da Unesp, entre materiais didático-pedagógicos, documentos, teses, dissertações e artigos científicos.

Univesp: conhecimento como bem público

Criada em 2012, a Univesp é a quarta universidade estadual paulista, com cursos de graduação, pós-graduação e extensão, totalmente gratuitos, oferecidos por meio das Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação.  A universidade também usa a tecnologia a serviço da cidadania, sob o lema “o conhecimento como bem público”, a instituição disponibiliza no You Tube todo o conteúdo produzido pela Univesp TV, para ser utilizado como material de apoio aos estudos. São aulas, cursos livres e programas com temas variados. Além disso, a Univesp oferece em seu site recursos educacionais abertos (jogos, mapas e infográficos interativos) para estimular o interesse, promover o engajamento e facilitar a aprendizagem.  

Para o professor Schlünzen, essa iniciativa está alinhada com a Unesp Aberta e o Acervo Digital do NEaD. “Vivemos em um novo contexto, no qual a educação informal tem um importante papel social de democratização do conhecimento”. Segundo o novo diretor acadêmico, a Univesp também possui diretrizes alinhadas com o NEaD/Unesp em relação à educação formal. “Ambas instituições entendem que o professor deve proporcionar uma aprendizagem personalizada, que faça sentido para o estudante em seu contexto de vida. É esta a prática pedagógica que será potencializada na Univesp”. 

 

 

Em novo ciclo de encontros, o coordenador pedagógico do curso oferecido pelo NeaD/Unesp estimula o envolvimento e a constância nos estudos

     Iniciaram, neste mês de março, as tradicionais visitas da coordenação do Curso de Licenciatura em Pedagogia do Núcleo de Educação a Distância (NEaD) da Unesp aos polos onde ocorrem as aulas presenciais. No dia 2, o professor Edson do Carmo Inforsato, coordenador pedagógico do curso, foi até o Polo Butantã e, no dia 13, esteve no Polo Jaçanã.

      Durante as visitas, que acontecem ao menos uma vez por ano em cada um dos 18 polos, o professor Inforsato e a equipe de gestão acadêmico-administrativa do curso encontram os alunos e os seus orientadores de disciplina e de turma.  O objetivo é acompanhar cada grupo, verificando dúvidas, dificuldades, sugestões e necessidades.  “Os orientadores nos dão um retorno mensal da evolução de cada cursista e da turma. Além disso, vemos os alunos nas atividades extracurriculares que promovemos. Mas a nossa presença física no ambiente da sala de aula, em um tempo reservado para ouvir demandas individuais e coletivas, é fundamental para incentivar o engajamento“, explica o professor, que sempre reserva parte do tempo para uma palestra motivacional. 

      O curso, semipresencial, é realizado em parceria com a Universidade Aberta do Brasil – UAB (sistema da CAPES/MEC que emprega metodologias de Educação a Distância para facilitar o acesso à formação universitária) e com a prefeitura de São Paulo.  Com carga horária de 3.660 horas e duração de 3 anos e 5 meses, destina-se a professores em exercício nas redes de Educação Infantil e/ou Ensino Fundamental do município paulista.  Atualmente, 798 educadores cursam a licenciatura, que visa preencher uma lacuna formativa desses docentes, propiciando acesso ao conhecimento da Unesp sem a necessidade de deslocamento para o interior do estado de São Paulo e com as facilidades do ensino a distância. Os polos de apoio presencial localizam-se nas Unidades de Articulação Acadêmica dos Centros Educacionais Unificados (UniCEU) da cidade. 

Esclarecimentos, orientações e calor humano

      No dia 2 de março, mais de 40 cursistas do Polo Butantã participaram do encontro e ouviram o professor Inforsato, que destacou a importância das aulas presenciais no contexto do curso. “A interação entre os alunos, acompanhada pelos professores das disciplinas, melhora a experiência como um todo. A troca de saberes e vivências no momento presencial preenche brechas dos próprios textos inseridos no Ambiente Virtual de Aprendizagem e permite uma reflexão em grupo que, posteriormente, pode aprimorar o material didático”, defendeu. 

      Acompanhado pela orientadora de disciplina Fabiana França Barbosa e pela orientadora de turma Maria de Fátima Salum Moreira, o professor elucidou questões relacionadas às Atividades Acadêmico-Científico-Culturais exigidas pelo curso. Entre elas, a dúvida referente à escolha da atividade a ser realizada. “Não é preciso ater-se somente às indicações que damos no ambiente digital. São válidos filmes, livros, peças de teatro e exposições escolhidos pelo aluno, desde que relativos aos temas da licenciatura. Ingressos, certificações e resenhas de obras literárias podem ser usados como comprovação”, orientou. 

        A recepção dos alunos do Polo Jaçanã ao professor Inforsato, no dia 13 de março, foi tão acolhedora quanto a dos cursistas do Polo Butantã. “Esse ambiente humano, de pessoas realmente interessadas em sua formação e aprimoramento profissional, que mostram amar aquilo que fazem, é animadora e traz um senso de realização”, comentou.  Juntamente com a orientadora de turma Edwill Gattás, o professor parabenizou os mais de 40 alunos presentes pelo seu engajamento nas atividades do curso.  “De acordo com os registros do nosso Ambiente Virtual de Aprendizagem, o Polo Jaçanã é o segundo mais assíduo nos fóruns de discussões”. 

 

Após concluírem curso do Núcleo de Educação a Distância da Unesp, professora e pesquisadora dedicam-se a aprimorar-se na técnica para satisfação pessoal e profissional

Os professores especialistas e tutores do Núcleo de Educação a Distância (NEaD) da Universidade Estadual Paulista (Unesp)  comemoram os resultados  do primeiro curso a distância de audiodescrição, técnica que descreve imagens estáticas e audiovisuais para pessoas cegas, garantindo o seu acesso à educação, cultura e informação.   No ano passado,  380 pessoas inscreveram-se em três turmas do curso “Princípios e Técnicas da Audiodescrição: Aplicabilidade em Contextos Culturais e Educacionais”, sendo que duas turmas já o concluíram.  “Mais do que números, celebramos o engajamento dos cursistas, a expansão dos seus horizontes profissionais e a revelação de novos talentos”, esclarece a professora Ana Julia Perrotti-Garcia, autora do curso, tradutora e audiodescritora.

A pesquisadora paulistana Isabel Gasparri, 37 anos, graduada e pós-graduada em Letras, está envolvida na promoção da acessibilidade por meio da audiodescrição. Ao terminar o curso, ela criou um canal no YouTube para divulgar seus trabalhos e ampliar o conteúdo audiodescrito para pessoas com deficiência visual. A primeira audiodescrição disponibilizada por Gasparri foi a do vídeo “Vamos Jogar?”, referente à campanha de mesmo nome da Unicef e da prefeitura do Rio de Janeiro com o objetivo de  impulsionar a prática segura e inclusiva de esporte por meninos, meninas e adolescentes da América Latina e do Caribe.  “Eu escolhi esse vídeo pela importância do tema. Diversos estudos indicam que brincar é fundamental para o desenvolvimento das crianças, mas muitas delas, infelizmente, ainda têm tal direito negado”, explica. “Além disso, pessoas cegas são protagonistas e podem ter interesse no engajamento em campanhas com temáticas diversas”, completa. Com esse pensamento, a pesquisadora também fez a audiodescrição de imagens estáticas do site Salvo Vidas, que incentiva a doação de sangue.

Além dessas ações, Gasparri  inscreveu um trabalho no festival de filmes com acessibilidade comunicacional Ver Ouvindo, que acontecerá em abril, em Recife, e incluirá uma mostra competitiva de curtas nacionais com audiodescrição. Esta foi uma atividade realizada em conjunto com outra ex-cursista, Milena Schneid Eich, 39 anos, professora das línguas portuguesa e inglesa, de Caxias do Sul, no Rio Grande do Sul. “Pensei que seria uma boa oportunidade para trabalhar colaborativamente e fazer parcerias”, conta Eich, que escolheu, para participar desse concurso, audiodescrever o curta-metragem A Fuga do Silêncio, baseado em um conto da escritora argentina Samanta Schweblin e produzido por alunos do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul.

“O trabalho fluiu e o resultado nos deixou muito satisfeitas. Ficamos felizes por colocar em prática o que aprendemos até agora”, destaca Eich, ressaltando a importância de outros dois parceiros: Uilian Donizete Vigentim, assessor em acessibilidade do NEaD/Unesp e Manoel Neto,  que possui um estúdio de gravação em Caxias do Sul e auxiliou na mixagem do som.  “O Uilian foi nosso consultor e nos deu preciosas dicas do ponto de vista de quem consome o produto audiodescrito. Enfim, posso dizer que foi um trabalho a oito mãos”. No próximo dia 7 de março, a organização do festival irá divulgar a lista dos selecionados para a mostra.

Para o futuro, ambas fazem planos de profissionalização. “Decidi estudar audiodescrição devido à relevância social da atividade e por conta da proximidade com minha área de formação. Agora, finalizado o curso, estou apaixonada pela atividade e quero atuar profissionalmente”, afirma Gasparri, que gostaria de elaborar a audiodescrição de filmes mudos.  Eich, por sua vez, pretende trabalhar como roteirista e difundir a técnica na região da Serra Gaúcha. “Meu interesse inicial era o de melhorar minha prática em sala de aula, mas fui completamente conquistada e também quero dedicar-me profissionalmente”, diz.

Elas salientam que o curso da Unesp proporcionou-lhes um aprendizado contextualizado. “Aprendi de forma aplicada, o que foi muito mais significativo”, frisa Eich. “O fato de o curso associar teoria e prática foi fundamental para que eu pudesse desenvolver minhas próprias audiodescrições com segurança e qualidade”, garante Gasparri. As duas intencionam continuar os estudos, com cursos avançados e em áreas específicas.  “Diferentemente do que se possa pensar, a técnica não é algo simples, demandando sólido conhecimento teórico, pesquisas sobre assuntos diversos e a prática da alteridade”, conclui Gasparri. 

Devido aos resultados positivos e ao interesse demonstrado pelos cursistas em continuar a formação na área, O NEaD/Unesp ofertará, no segundo semestre de 2017, novos cursos sobre audiodescrição.  Cadastre-se para receber informações: https://goo.gl/JKwibY

 

 

 

  • LogoAna
  • LogoAndef
  • LogoCapes
  • LogoCulturaAcademica
  • LogoEditoraUnesp
  • LogoEscolaDeFormacao
  • LogoEstadoSP
  • LogoFundacaoEco
  • LogoFundunesp
  • LogoMec
  • LogoProex
  • LogoPrograd
  • LogoPropg
  • LogoSecEducacao
  • LogoUab
  • LogoVunesp