• Acessibilidade

Localização

Habilidades desenvolvidas por esses profissionais em sua formação e prática são essenciais para a técnica de audiodescrever

Tradutores e intérpretes podem aproveitar estratégias já empregadas em sua profissão para audiodescrever cenas de filmes, espetáculos teatrais, festivais de música e outros eventos e materiais culturais e educacionais (com imagens dinâmicas ou estáticas). Tanto para traduzir quanto para audiodescrever, são necessárias habilidades como capacidade de síntese, boa escrita e respeito ao texto de partida, já adquiridas por esses profissionais. No entanto, a audiodescrição exige também o desenvolvimento de competências específicas baseadas no conhecimento da técnica, como atenção aos detalhes, noções sobre o público-alvo, entendimento dos objetivos do processo e de especificidades relacionadas aos princípios de relevância, imparcialidade e objetividade. 

Tais conhecimentos e métodos serão ensinados no curso de aperfeiçoamento Princípios e Técnicas da Audiodescrição: Aplicabilidade em Contextos Culturais e Educacionais. Totalmente a distância, o curso é organizado e gerenciado pelo Núcleo de Educação a Distância (NEaD) da Universidade Estadual Paulista (Unesp). Os interessados devem acessar o endereço http://goo.gl/fKQ9Lq para realizar sua inscrição, até o próximo dia 26 de julho. 

A técnica de audiodescrição consiste na narração clara e objetiva de todas as informações captadas visualmente.  Além das pessoas com deficiência visual, a audiodescrição beneficia aqueles que possuem dificuldade de aprendizagem, dislexia, déficit de atenção e deficiência intelectual, possibilitando que compreendam melhor o conteúdo da mídia na qual as imagens se inserem.

“A profissão de audiodescritor é uma nova área que tem atraído profissionais com as mais diversas formações, entre eles os tradutores. Em meio à maior demanda por educação e cultura inclusivas, a audiodescrição é vista como uma oportunidade de especialização e geração de renda”, explica a professora Ana Julia Perrotti-Garcia, autora do curso. “É uma modalidade de tradução audiovisual e intersemiótica muito enriquecedora”, completa Perrotti-Garcia, que também é tradutora e audiodescritora. 

De acordo com o linguista russo Roman Osipovich Jakobson (1896 -1982), a tradução intersemiótica é a interpretação de um sistema de signos para outro, nesse caso, da linguagem visual para a verbal.  Os outros tipos de tradução definidos pelo estudioso também podem estar presentes na audiodescrição:  a intralingual, se o produto a ser audiodescrito estiver em língua estrangeira; e a interlingual, se houver necessidade de explicação de algum conceito. 

O curso de Audiodescrição abrangerá 180 horas de estudo, divididas em 18 semanas. Entre os temas abordados, estão: o conceito, o histórico e os modelos de audiodescrição; o trabalho e a profissão de audiodescritor e do consultor com deficiência visual; as técnicas de aplicação ao vivo (espetáculos), em imagens estáticas (desenhos, charges, tirinhas, fotografia, gráficos, mapas, tabelas, fórmulas, diagramas, esquemas), em imagens dinâmicas (videoaulas, documentários, curtas, comerciais, filmes) e em jogos e objetos educacionais. Os participantes realizarão atividades que objetivam o desenvolvimento de habilidades como audiodescritores e como consultores.  

O progresso de cada estudante será acompanhado por tutores que, seguindo a abordagem do Estar Junto Virtual, promoverão a aprendizagem por meio da reflexão, de novos desafios e do constante feedback“, enfatiza o professor Klaus Schlünzen Junior, coordenador do NeaD/Unesp. Por ser realizado a distância, o curso permite flexibilidade no estudo, em relação ao horário e local. Em cada módulo, o cursista terá entre uma e duas semanas para  organizar-se, dentro do seu tempo disponível, para fazer a leitura dos textos, assistir aos vídeos disponibilizados, cumprir as tarefas previstas e interagir com os tutores e os demais colegas da turma. Todas as dúvidas e atividades serão respondidas, acompanhadas e avaliadas por profissionais formados em audiodescrição.

Curso: Princípios e Técnicas da Audiodescrição: Aplicabilidade em Contextos Culturais e Educacionais

Organizador: Núcleo de Educação a Distância (NeaD) da UNESP

Inscrições: até 15h do dia 26 de julho de 2016, pelo endereço http://goo.gl/fKQ9Lq 

Investimento: seis (6) parcelas de R$ 100,00 

Início das atividades: 27 de julho de 2016

Outras informações: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Observação: Ao realizar a inscrição e efetivar o pagamento, o cursista receberá uma mensagem por e-mail informando o login e senha de acesso ao ambiente virtual de aprendizagem (a sua sala de aula na Internet)

Docente responsável: Professora Elisa Tomoe Moriya Schlünzen, Livre-Docente em Formação de Professores para uma Escola Digital e Inclusiva pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Docente colaboradora: Professora Ana Julia Perrotti-Garcia, audiodescritora, tradutora e intérprete, com mestrado em Linguística Aplicada (PUC -SP) e doutorado em Língua e Literatura Inglesa (USP)

 
        A técnica de audiodescrição consiste na narração clara e objetiva de todas as informações captadas visualmente, sejam imagens estáticas ou dinâmicas. Além das pessoas com deficiência visual, a audiodescrição beneficia aqueles que possuem dificuldade de aprendizagem, dislexia, déficit de atenção e deficiência intelectual, possibilitando que compreendam melhor o conteúdo da mídia na qual as imagens se inserem.
 
      A profissão de audiodescritor é reconhecida pelo Ministério do Trabalho desde 2013, quando houve a atualização da Classificação Brasileira de Ocupações. É uma nova área que tem atraído profissionais com as mais diversas formações que, em meio à maior demanda por educação e cultura inclusivas, vêem uma oportunidade de especialização e geração de renda. 
 
         Tendo em vista este panorama e a necessidade de inclusão social, o Núcleo de Educação a Distância (NeaD) da Universidade Estadual Paulista (Unesp) oferece o curso de aperfeiçoamento Princípios e Técnicas da Audiodescrição: Aplicabilidade em Contextos Culturais Educacionais. 
 
          Com início no próximo dia 27 de julho e três turmas formadas, o curso é destinado a educadores, jornalistas, tradutores, profissionais que atuam com acessibilidade, produtores de vídeo, consultores com deficiência visual e demais pessoas interessadas em seguir essa profissão. Estão abertas as inscrições para a quarta turma. Os interessados devem acessar o endereço http://goo.gl/fKQ9Lq e efetivar o pagamento até o dia 26/07/2016. O investimento é de seis parcelas de R$ 100,00. 
 
        „A audiodescrição pode ser considerada uma modalidade de tradução intersemiótica, ou  seja, de um signo para outro, no caso, da linguagem visual para a verbal. A narrativa deve ser detalhada, sem concorrer com outros elementos sonoros que possam existir junto às imagens, como em vídeos educacionais e filmes“, explica a professora Ana Julia Perrotti-Garcia,  audiodescritora e docente colaboradora do curso. 
 
        Serão 180 horas de estudo, divididas em 18 semanas. Entre os temas abordados, estão: o conceito, o histórico e os modelos de audiodescrição; o trabalho e a profissão de audiodescritor e de consultor; as técnicas de aplicação ao vivo (espetáculos), em imagens estáticas (desenhos, charges, tirinhas, fotografia, gráficos, mapas, tabelas, fórmulas, diagramas, esquemas), em imagens dinâmicas (videoaulas, documentários, curtas, comerciais, filmes) e em jogos e objetos educacionais. Os participantes realizarão atividades que objetivam o desenvolvimento de habilidades como audiodescritores e como consultores.  
 
       O próprio curso, totalmente a distância, é um exemplo de acessibilidade, já que os materiais didáticos  possuem recursos de audiodescrição e o ambiente virtual de aprendizagem na Internet (desenvolvido com a plataforma Moodle) é acessível. Assim, pessoas com deficiência visual que utilizam o leitor de tela NVDA e o navegador de Internet Firefox Mozilla podem participar com autonomia, profissionalizando-se e, posteriormente, tendo a oportunidade de trabalhar em parceria com  outros audiodescritores, enriquecendo os processos inclusivos educacionais e culturais. Além do conhecimento técnico adquirido com o curso, a pessoa cega pode colaborar com sua própria experiência como usuária do recurso de audiodescrição. 
 
     O progresso de cada estudante será acompanhado por tutores que, seguindo a abordagem do Estar Junto Virtual, promoverão a aprendizagem por meio da  reflexão, de novos desafios e do constante feedback“ , enfatiza o professor Klaus Schlunzen Junior, coordenador do NeaD/Unesp. Por ser realizado a distância, o curso permite flexibilidade no estudo, em relação ao horário e local. Em cada módulo, o cursista terá entre uma e duas semanas para  organizar-se, dentro do seu tempo disponível, para fazer a leitura dos textos, assistir aos vídeos disponibilizados, cumprir as tarefas previstas e interagir com os tutores e os demais colegas da turma. Todas as dúvidas e atividades serão respondidas, acompanhadas e avaliadas por profissionais formados em audiodescrição.
 
 
Serviço: 
Curso: Princípios e Técnicas da Audiodescrição: Aplicabilidade em Contextos Cuturais Educacionais
Organizador: Núcleo de Educação a Distância (NeaD) da UNESP
Inscrições: até 15h do dia 26 de julho de 2016, pelo endereço http://goo.gl/fKQ9Lq 
Investimento: seis (6) parcelas de R$ 100,00 
Início das atividades: 27 de julho de 2016
Outras Informações: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.
Observação: Ao realizar a inscrição e efetivar o pagamento, o cursista receberá uma mensagem por e-mail informando o login e senha de acesso ao ambiente virtual de aprendizagem (a sua sala de aula na Internet). 
 
Docente responsável: Professora Elisa Tomoe Moriya Schlünzen,  Livre-Docente em Formação de Professores para uma Escola Digital e Inclusiva pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho
Docente colaboradora: Professora Ana Julia Perrotti-Garcia,  audiodescritora, tradutora e intérprete, com mestrado em Linguística Aplicada (PUC -SP) e doutorado em Língua e Literatura Inglesa (USP)

 

Inscrições abertas até o dia 26 de julho

A relação entre sustentabilidade e negócio está cada vez mais próxima, mas algumas empresas encontram dificuldades para encontrar ferramentas voltadas à gestão orientada à sustentabilidade. O conceito de Avaliação de Ciclo de Vida (ACV), técnica de avaliação e quantificação de impactos ambientais de produtos ou processos ao longo de sua cadeia produtiva ou vida útil, é uma destas ferramentas. Normatizada pela NBR ISO14040, a ACV gera informações suficientes para a tomada de decisões estratégicas, por produtores e consumidores, baseadas em dados comprovados pela ciência.

“Com o pensamento do ciclo de vida é possível gerenciar melhor a vida pessoal e profissional. Mesmo que não seja um especialista no assunto, este profissional fará questionamentos sobre o maior número possível de impactos gerados por suas ações”, afirma Sara Juarez Sales, gerente de Educação para a Sustentabilidade e Conservação Ambiental da Fundação Espaço ECO® (FEE®).

Oferecer estas informações e formar profissionais com visão sistêmica e capacidade para se antecipar na identificação de ações e na aplicação da sustentabilidade em seu cotidiano, é um dos objetivos do curso a distância “Sustentabilidade”, que está com inscrições abertas até 26/07. Com conteúdo desenvolvido pela Fundação Espaço ECO® (FEE®), organização com expertise em sustentabilidade empresarial, em parceria com o Núcleo de Educação a Distância (NEaD) da Unesp e certificado pela Pró-Reitoria de Extensão Universitária da Unesp, o curso tem carga de 180 horas distribuídas em seis módulos (18 semanas).

Além de informações sobre ACV, Pensamento do Ciclo de Vida e ISO 14040, o curso aborda conteúdos sobre ecoeficiência, Análise de Ecoeficiência e como aplicá-las. A Análise de Ecoeficiência é uma metodologia aplicada pela FEE® que além de medir os aspectos ambientais ao longo do ciclo de vida – baseada na norma ISO 14040 -, verifica os aspectos econômicos de todo este processo. Como evolução da ecoeficiência, a Socioecoeficiência, que analisa ainda as questões sociais associadas ao processo produtivo, é outro objeto de estudo deste curso.

"As tecnologias digitais e a metodologia empregadas nesse curso são inovadoras, baseadas em propostas de aplicação prática e com mediação do processo de aprendizagem a distância feita por profissionais qualificados", ressalta o professor Klaus Schlunzen Junior, coordenador do Núcleo de Educação a Distância da Unesp. "Essa abordagem leva à maior participação e engajamento do cursista, que terá a oportunidade de dar um significado à sua aprendizagem, de acordo com o seu contexto profissional", completa.

Para participar desta iniciativa, o interessado deve estar matriculado ou ter concluído o ensino superior. As inscrições devem ser feitas através do site http://goo.gl/u3o6bW .As vagas são limitadas e há condições especiais para inscrições em grupo.

O curso ainda conta com o apoio da Fundação para o desenvolvimento da UNESP (FUNDUNESP) e do Instituto de Políticas Públicas e Relações Internacionais (IPPRI).

“Sustentabilidade” oferece ferramentas de gestão aplicada aos negócios.

Inscrições até: 26 de julho de 2016

Informações: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Inscrição: http://goo.gl/u3o6bW 

 

Professor da rede municipal de educação básica relata o seu crescimento e desenvolvimento profissional por meio do Curso de Especialização em Educação Especial, oferecido pela prefeitura de São Paulo em parceria com a UNESP

Desde março deste ano, 180 profissionais da área da educação participam do Curso de Especialização em Educação Especial com ênfase em Altas Habilidades/Superdotação (AH/SD).  Professores e gestores aprendem sobre políticas públicas, etiologia (origens) das AH/SD, biotipologia (classificação biopsicológica), escolarização e avaliação das competências e necessidades desses estudantes, a arte como potencializadora da criatividade, o ensino colaborativo e planejamento de ensino. Semipresencial, o curso é resultado de uma parceria entre a Secretaria Municipal de Educação de São Paulo e a Universidade Estadual de São Paulo – UNESP (por meio da Pró-Reitoria de Pós-graduação, do Núcleo de Educação a Distância - NEaD e da Fundunesp ).

  "Recomendo o curso a todos os educadores que se preocupam e se interessam pela educação inclusiva".            

                                                                             Deusdete da Silva, professor de História                                

O professor Deusdete posa para foto

No último encontro presencial, dia 25 de junho, na sede do NEaD, os cursistas presentes tiveram a oportunidade de trocar ideias entre si e com os profissionais responsáveis pelo curso.  Entre os presentes, estava Deusdete da Silva, professor da disciplina de História para os ensinos fundamental II e médio da Escola Municipal Prefeito Wladimir de Toledo Piza, situada na Zona Leste da capital paulista. Ele agradeceu a dedicação das tutoras, das professoras e da direção do curso, bem como a oportunidade de aprender para contribuir com a sociedade. Em e-mail enviado ao NEaD, o professor reforçou suas afirmações e contou como tem sido sua experiência

“O curso de Altas Habilidades / Superdotação tem contribuído para o meu crescimento. Como professor dos ensinos Fundamental II e Médio, sentia a necessidade de adquirir conhecimentos e habilidades para atender de forma adequada os alunos que precisam desse trabalho diferenciado. O curso tem me ajudado a perceber de forma mais ampla a questão da educação inclusiva e a observar a realidade na qual estou inserido. E tem fornecido subsídios para o desenvolvimento de ações práticas dentro da unidade escolar na qual trabalho.

O conteúdo possibilita um embasamento teórico muito bom e me auxilia na construção do pensamento crítico. Os textos, slides e vídeos atendem as minhas necessidades, enquanto a educação a distância garante a comodidade de estudar em casa e acessar as matérias em qualquer momento. Além disso, a EaD leva ao desenvolvimento da disciplina para cumprir horários de estudo e os prazos de entrega das atividades.

Quero elogiar o excelente trabalho tutorial da professora colaboradora Andreia de Carvalho Lopes Fujihara, que se dispõe a ajudar sempre. Mesmo que não possua uma resposta imediata, ela se propõe a pesquisar e não deixa os cursistas no vazio. Sua assistência chega a extrapolar o âmbito do curso, com auxílio em dúvidas sobre a vida acadêmica. Parabéns e muito obrigado, Andrea, pela sua dedicação.  Meus agradecimentos também à coordenadora Maria Candida Soares Del-Masso, à supervisora Verônica Lima dos Reis, às demais tutoras e aos professores convidados, pelo trabalho de qualidade.

Há ainda os encontros presenciais, que, do meu ponto de vista, são fundamentais. Como sou professor, considero o contato humano entre tutores e colegas essencial para a troca de experiências e ideias. Poder ouvir o outro e ser ouvido também faz parte do aprendizado.

Eu recomendo o curso de Altas Habilidades / Superdotação a todos os educadores que se preocupam e se interessam pela educação inclusiva. Minha sugestão é que considerem o curso uma ferramenta de crescimento e preparação para atuarem de forma efetiva na área. Não pensem nesse curso como apenas mais uma pós-graduação que concederá pontos para a evolução funcional. É importante ter a mentalidade de quem realmente deseja contribuir, acrescentar, crescer no aprendizado e aprimorar sua prática cotidiana.

 Para mim, esse é um curso de excelência e qualidade, com o qual tenho aprendido muito. Agradeço a Deus, à Prefeitura de São Paulo e à UNESP pela oportunidade de realizá-lo. Meu sonho é continuar esse aprendizado com um mestrado na área, para pesquisar e transmitir o conhecimento para meus colegas. Sou professor há vinte anos e esse curso deu-me nova motivação e forças para lutar por uma educação de qualidade e que possa atender todos os alunos sem discriminação.”.

Técnica deve ser utilizada em e-books, videoaulas, animações e games inseridos em ambientes virtuais de aprendizagem

Na Educação a Distância (EaD), as dificuldades encontradas pela pessoa com deficiência são provocadas por barreiras ocasionadas por inadequações no processo educacional (design instrucional, materiais didáticos digitais e ambientes virtuais de aprendizagem). São desconexões com esse público que impedem a sua plena e efetiva participação, em igualdade de oportunidades, com as demais pessoas. 

Podemos dizer que uma pessoa com deficiência teve “acesso” a um curso superior.  Porém, isso não significa que as condições para que ela o realize com equiparação de oportunidades tenham sido asseguradas, ou seja, que o curso é acessível.

Foto do professor Klaus Schlünzen Junior, coordenador do Núcleo de Educação a Distância da UNESP, durante videoaula com audiodescrição. A foto direciona o leitor para um link com o vídeo da aula.

Para o professor Dr. Klaus Schlünzen Junior, coordenador do Núcleo de Educação a Distância da UNESP, a acessibilidade na EaD “engloba a equiparação de oportunidades entre os sujeitos envolvidos (docentes e todos os estudantes) no processo comunicacional e educacional, de forma que seja garantida a realização com autonomia das atividades organizadas pedagogicamente e disponibilizadas no ambiente virtual de aprendizagem”.

Clique na imagem e assista ao vídeo
A cultura da acessibilidade na Educação a Distância 

 Além de a EaD ser concebida como uma alternativa viável para as pessoas que estão geograficamente distantes, ela também pode ser reconhecida como um processo educacional inclusivo para a formação de pessoas com deficiência, desde que sejam incorporados recursos de acessibilidade.

Dentre tais recursos, está a audiodescrição, uma modalidade de tradução intersemiótica que transforma o  conteúdo visual  em  verbal. Na EaD, essa técnica é empregada para contribuir na ampliação do entendimento de informações disponibilizadas em ambientes virtuais, videoaulas, games, animações e e-books. 

 A pedagoga e designer instrucional Cícera Lima Malheiro realça a importância de professores conteudistas, produtores de videoaulas, designers instrucionais e revisores conhecerem e apropriarem-se da técnica de audiodescrição para empregá-la em sua prática, tornando mais acessíveis os materiais e ambientes dos cursos a distância.

“O desenvolvimento da habilidade para audiodescrever conteúdos da área da EaD requer treino, acompanhamento, escolhas e tomada de decisão frente ao material didático, ações que tornam-se conscientes e claras após o profissional participar de um processo formativo em audiodescrição”, explica Malheiro.

 Na UNESP, o Curso “Princípios e Técnicas da Audiodescrição: Aplicabilidade em Contextos Culturais Educacionais” possui em sua estrutura didática atividades voltadas para o público que trabalha com a educação a distância, além de outros enfoques, como as áreas escolar e cultural.

         Conheça alguns materiais didáticos digitais desenvolvidos pelo NEaD/UNESP que possuem audiodescrição:

 Videoaula: https://youtu.be/iUD6umX1e9I

 Animação: https://youtu.be/CC8Jm46x1aw

 Games: http://goo.gl/2n0Ssv

 

Notícia Relacionada: 


Audiodescrição torna a educação e a cultura mais acessíveis a pessoas com deficiência visual

  • LogoAna
  • LogoAndef
  • LogoCapes
  • LogoCulturaAcademica
  • LogoEditoraUnesp
  • LogoEscolaDeFormacao
  • LogoEstadoSP
  • LogoFundacaoEco
  • LogoFundunesp
  • LogoMec
  • LogoPrefeituraEducacao
  • LogoProex
  • LogoPrograd
  • LogoPropg
  • LogoSecEducacao
  • LogoUab
  • LogoVunesp